Destaque CCJ

10º PRÊMIO CINECLUBE JACAREÍ - CORVO DE GESSO 2017



FINAL DAS INSCRIÇÕES: 20 DE JULHO DE 2017

FAÇA SUA INSCRIÇÃO CLICANDO NOS LINKS ABAIXO:

FICHA DE INSCRIÇÃO (Clique Aqui)

REGULAMENTO (Clique Aqui)


-CURTA E SIGA O CINECLUBE JACAREÍ E CORVO DE GESSO NAS REDES SOCIAIS:

https://www.facebook.com/CineclubeJacarei/

https://www.facebook.com/CorvoDeGesso/

https://www.youtube.com/user/cineclubejacarei


-Saiba sobre o Cineclube Jacareí

cineclubejacarei@gmail.com

O projeto Cineclube Jacareí existe desde 2007. Com cinco anos de existência, tem uma missão nesta cidade. O dever de repartir com as pessoas o desejo de ver, informar-se e aprender sobre filmes e o cinema.

O inovador projeto Cineclube Jacareí atinge esse ano mais de cento e oitenta sessões do "Cinema de 5ª". Mostrando filmes independentes de cineastas locais e do Brasil. Preparou e entregou mais de cinqüenta estatuetas nas edições do anual "Prêmio Corvo de Gesso". Além de ter produzido centenas de filmes através da "Corvo Produções".

O projeto Cineclube Jacareí é pioneiro na região do Vale do Paraíba. Único grupo de trabalho que realiza a tríplice função no movimento audiovisual: produzir, exibir e premiar os filmes amadores, independentes e feitos em casa. Continuaremos a desfrutar dessa arte.



21 de nov de 2012

187ª Exibição - 08 de novembro de 2012

A sessão foi recheada com um longa produção nacional. O filme brasileiro “Os 12 Trabalhos”, dirigido por Ricardo Elias, faz parte do catálogo sugerido pelo programa “Pontos Mis” de São Paulo. Mis significa Museu da Imagem e do Som que incentiva espaços alternativos de exibição. Exatamente como o Cineclube Jacareí. Ambos promovem atividade prática do acesso ao cinema  e a formação de público. Mas como em toda sessão do Cinema de 5ª, o longa é precedido por produções em vídeo de curta duração:
“Espíritos Atordoados” é um trabalho assinado por Samuel de Souza e pertence a um gênero de produção característica no Cineclube Jacareí. A de criar vídeos em casa e, pela primeira vez, poder mostrar sua obra numa sala escura para um público cada vez mais exigente freqüentadores da Sala Mário Lago.

“Chuva VS Jacareí” é outro vídeo feito em casa e representa a batalha natural da cidade contra o período chuvoso que incomoda a tantos. Direção de Vini Trash.

“O Gritinho Fudido” é um vídeo que se aproveita do cômico para que seu valor seja extraído. Um concurso de berros bem dirigido pelo mesmo diretor que nos surpreende ao final mais uma vez.

“Galeria”, dirigido por Níkolas Araujo, é uma exposição de desenhos do próprio diretor filmados de modo a registrar sua galeria original.

Ainda tivemos na sessão o curta “5 minutos”, dirigido por Quico Meirelles. Curta preparado com mais investimento na produção e atores famosos como protagonistas. Esse curta veio no pacote do programa “Pontos Mis” e faz parte do material oferecido junto com “Os 12 Trabalhos” pelo projeto.

Os 12 Trabalhos - Um carinha que é motoboy, depois de ter saído da Fundação Casa (ou FEBEM), tem a missão pela frente de recuperar a vida com dignidade.

O preto e pobre da favela se depara com a nova vida depois de privado da liberdade. Suas entregas se tornam na realidade missões humanas para ele. E ao enfrentar as barreiras das entregas, deixa para o espectador o exemplo do serviço duro que precisa fazer todos aqueles que nascem injustiçados. Sem um pai, com mãe pobre, rodeado de traficantes aliciadores de menores e a sociedade hipócrita.

É um filme bem reflexivo do universo dos menos favorecidos no Brasil. Pessoas que já chegam aqui na terra dependentes de toda sorte para que na adolescência não estejam condenados ao fim da vida.

A produção é de 2007 e recebeu o prêmio de melhor filme no Festival Internacional de Cinema de San Sebastian, na Espanha. É o segundo longa de Ricardo Elias que já havia sido premiado pelos curtas-metragem que tem no currículo. Os principais são do Festival de Cinema de Gramado, prêmio de melhor filme e melhor diretor pelo curta “Passagem”. No debate as opiniões sobre o filme foram variadas, mas com consenso na avaliação no legado da obra.
Com brinde oferecido pela Drogaria Econômica, o cinéfilo tetracampeão dos nossos sorteios Lucas Plesky passou a ficar mais perfumado. Parabéns!


186ª Exibição - 01 de novembro de 2012

O CINEMA DE 5ª começa o seu último mês neste ano, com uma sessão recheada de curtas-metragens um tanto irreverentes.
“Cozinhando com Raul” (Dir. Vini Trash) – é uma paródia a programas de culinária apresentado por Raul Trash, sendo que os presentes, acharam que foi um tanto demorada e nojenta a receita do bizarro personagem em questão.
“O Idiota” (Dir. Vini Trash) – traz a esquete do programa Trash Company sobre o cotidiano de dois idiotas. Segundo o diretor, foi uma esquete inspirada numa piada do programa que o grupo inglês “Monty Python” faziam na TV. Por isso, devemos considerar que o filme deveria ser inscrito na categoria “Genéricão” e não como “No Ar”.
“Coisas Da Internet 2” (Dir. Níkolas Araújo), foi uma continuação da série, em que o primeiro episódio foi premiado com um CORVO DE GESSO, em 2011, na categoria “Genéricão”, sendo uma paródia aos vídeos feitos pelo nerd mais conhecido da internet, PC Siqueira. Infelizmente, o diretor deu um tom mais sério, e os espectadores consideraram muito longo e chato, desconsiderando totalmente esta nova versão.
“Afogamento Superficial” (Dir. Elias Pacheco), mais um vídeo “No Ar”, deste diretor que vem se destacando nesta área. Na verdade, é uma montagem de fotos tiradas dos reflexos de poças d´águas. Maluco!
“Luz” (Dir. Níkolas Araújo), mais um curta-metragem “No Ar”, com duração de 1 minuto, em que a luz é a protagonista, mostrando a sua importância em nossas vidas, incluindo Raul Seixas na trilha sonora.

Em comemoração aos 50 anos desta clássica série que levou gerações ao cinema e aproveitando a sua estréia semana passada nas salas nacionais do 23º episódio da franquia, exibimos o longa-metragem “007 Contra o Satânico Dr. No”. Baseado no livro homônimo de Ian Fleming, dirigido por Terence Young e produzido pela dupla Harry Saltzman e Albert R. Broccoli. Revelou na telona este agente secreto ao mundo, contando com o ator Sean Connery em sua primeira encarnação como tal.

James Bond, um espião ao serviço de Sua Majestade, é enviado à Jamaica para investigar o desaparecimento misterioso de um agente britânico. As investigações de Bond vão levá-lo ao Dr. Julius No, um estranho cientista com um plano maléfico de destruir o programa espacial dos Estados Unidos.

Esta película foi a primeira vez que vimos a bebida favorita de James Bond - vodka-martini, batido mas não misturado; a famosa frase de apresentação - "O meu nome é Bond... James Bond"; os incríveis engenhos e carros (normalmente Aston Martin) e as eternas bond girls, neste filme Ursula Andress, numa famosa cena em que sai do mar.
Esta noite, tivemos dois ganhadores do Vale-Pastel do famoso Pastel Correia. Foram eles: Jonas da Silva e Ana Carolina Pereira. Inté!

12 de nov de 2012

185ª Exibição - 25 de outubro de 2012

Voooocêêêêêssss! Amigos do Cineclube Jacareí está é uma noite muito especial. É a SESSÃO DIRETORES. E o homenageado é um dos diretores mais reconhecidos no cenário cinematográfico mundial no gênero terror trash: ZÉ DO CAIXÃO. Antes rolaram os seguintes curtas-metragens: “Zombie Walk Jacareí 2011 – Epidemia e Medo”(Dir. Vini Trash) – um filme que relata nas imagens, o trajeto da primeira passeata de zumbis realizada no Vale do Paraíba (embora o ano passado fosse a segunda edição do evento), e logo depois foi imitada em outras cidades da região.
Algumas pessoas comentaram no debate, que funcionaria mais como um videoclipe do que como documentário, pois não tinha relato de ninguém na passeata mais macabra de Jacareí.

“Técnica Infalível para Dormir” (Dir. Elias Pacheco) – um curta-metragem em forma de stop motion, através de fotos, que tecnicamente ficou bacana, e no conteúdo, como o próprio nome já diz, funciona como um tutorial irônico para os insones. Nos comentários disseram que este diretor de Lençóis Paulista tem uma forma bem humorada e peculiar de mostrar em suas obras, questões que são relevantes no dia-a-dia das pessoas.

“Nú Ar” (Dir. Níkolas Araújo) – segundo o diretor, um pornô teórico com símbolos e códigos sexuais na abordagem “No Ar”. Pessoas disseram que ele esta evoluindo, ficando seus filmes mais engraçados. Num dos momentos, ele joga um papel escrito “ganso”, na pia cheia de água, mas faltou outros símbolos como “descabelar o palhaço”, bem, foram as recomendações do público.

“Desalmados – Um Filme de Humor Negro Romântico” (Dir. Geisla Fernandes) – de acordo com opiniões, foi um preparo bacana para o longa-metragem. No roteiro, uma minazinha que encontra num bar, cara na noite, que, ao saírem juntos, descobrem que ambos tem uma estranha forma de amar, consumado o encontro numa forma trájiexótica.

Segundo comentários da diretora, o filme foi baseado no filme “Encaixotando Helena” e nas letras da banda terror punk “Misfits”.


Voltamos a falar do longa-metragem, “A Meia-Noite Levarei Sua Alma” (Dir. José Mojica Marins), é o primeiro filme da trilogia do personagem mais famoso dele: ZÉ DO CAIXÃO. Criado em 1963, segundo o relato do próprio Mojica, era para um outro ator fazer o coveiro, numa aparição que seria em um evento e consequentemente este teve um problema de saúde e não pode comparecer no dia. Ele portanto, teve que atuar como o tal, e daí a razão de sua “encarnação” nesta figura, não deixou sua persona mais em paz.

A história se passa em uma cidadezinha qualquer do interior, em que a moral e os bons costumes prevalecem, mas o Zé, impiedoso como si só, vai aprontar suas peripécias, como comer carne para a procissão ver sua heresia, provocar um a um no boteco da cidade, e na sua obsessão pela mulher ideal pra gerar o “filho perfeito” e dar continuidade no seu sangue, chega até assassinar pessoas que interferem em busca doentia, que leva ao desfecho como o castigo da famosa frase “Quem planta o que quer, colhe o que não quer”.

Na obra, foi trabalhado vários símbolos, que levaram as pessoas ao gritos e frio na espinha em seu lançamento, na época, como por exemplo, as gargalhadas horripilantes da velha cigana, o gato preto que cruza o seu caminho, a coruja que aparece do nada, e as almas que surgem para a vingança final.

Tudo isso lembra alguns filmes antigos do cinema de terror, como Nosferatu, por exemplo. Levando em conta tudo isso, chegamos a crer que não é a toa que o seu reconhecimento não é somente nacionalmente, mas mundialmente, e definitivamente, isso se deve ao fato de ser um cineasta que resolveu se meter nesta terra tupiniquim, e ter como desafio de levar como bandeira o pioneirismo de fazer o cinema terror trash genuinamente brasileiro. Palmas para ele!

Quem ganhou o “Kit Perfumaria” da Drogaria Econômica, foi o cigano Luis Henrique. Parabéns!

184ª Exibição - 18 de outubro de 2012

Esta sessão do CINEMA DE 5ª, foi para manter o clima TRASH do mês. Vamos direto ao assunto: “Café Pelão” (Dir. Vini Trash) – genericamente falando, é uma paródia aos comerciais de café, que nos remete de volta aos velhos tempos, em que assistimos as Sessões da Tarde, em que víamos este tipo de “reclame”, e com direito a eco reverberado.

“Corrida Maluca” (Dir. Viviane di Fátima) – é uma filmagem em celular, onde carrinhos com controle remoto disputam uma incrível corrida veloz e barulhenta, num fundo de um quintal qualquer. No detalhe: muita gente reclamou sobre o ronco incrivelmente estridente dos motores.

“Rebrincando Com Fogo” (Dir. Níkolas Araújo) – um curta-metragem feito em homenagem a outro curta-metragem, ganhador da categoria “No Ar” do Corvo de Gesso 2010 (em conseqüência disso, se tornou um vídeo genericão), chamado “Brincando Com Fogo” (Dir. Sergio Nogueira), em que o garoto Níkolas, faz inúmeras acrobacias e malabarismos com a chama de um isqueiro. Ria se puder!

“Necrochorume” (Dir. Geisla Fernandes) – curiosamente esta palavra que leva o título do filme, explica que o seu significado é o líquido proveniente da decomposição dos corpos no cemitério, que vai para o lençol freático e se mistura com a água destinada ao consumo humano, e com isso, transformava os habitantes e visitantes de Águas Claras, aos poucos, em zumbis.

No debate, alguns disseram que a trilha sonora, quando o anti-herói se transformava no morto-vivo, depois de bater o beiço numa gororoba de arroz papa, não era tão condizente com o momento, mas o desenrolar do roteiro, foi para mostrar o quanto deve ser existencialmente cruel, esta mutação, especialmente quando vê sua namorada sendo devorada pelo outro da mesma espécie.

Este curta-metragem teve como objetivo em denunciar como que o poder público e o setor privado brasileiro, não têm nenhum critério para construir cemitérios, que chega ao número de mais de 90% deles serem de forma irregular, podendo gerar epidemias de várias doenças contagiosas.

“O Império das Formigas (Empire of the Ants)” (Dir. Bert I. Gordon) – clássico longa-metragem trash dos anos 70 mostra um grupo de turistas interessados num loteamento de veraneio, no litoral norte-americano, visitam este local, enquanto isso, formigas ficam expostas a material radioativo, se tornando gigantes e despertando um incrível instinto assassino contra os seres humanos.

Este grupo começa a ser atacados por elas e inicia-se uma perseguição implacável, até o final da película. As cenas em que os insetos viam os humanos e quando elas apareciam para eles, é uma técnica totalmente ultrapassada, tornando-se muito engraçado, principalmente quando elas começam a gritar para causar tensão ao espectador.

Além dos “defeitos especiais”, que não sabemos como que causava impacto na época, o roteiro, cheio de diálogos e situações horríveis, tem um desfecho que não tem nem pé e nem cabeça. Tenha coragem para conferir!

Veja quem vão saborear os gostosos pastéis do “Pastel Correia”: Gabriel A. S. Silva, Kaique Miguel S. Santos e Andressa Decarla. É isso aí! Até mais!