Destaque CCJ

10º PRÊMIO CINECLUBE JACAREÍ - CORVO DE GESSO 2017



FINAL DAS INSCRIÇÕES: 20 DE JULHO DE 2017

FAÇA SUA INSCRIÇÃO CLICANDO NOS LINKS ABAIXO:

FICHA DE INSCRIÇÃO (Clique Aqui)

REGULAMENTO (Clique Aqui)


-CURTA E SIGA O CINECLUBE JACAREÍ E CORVO DE GESSO NAS REDES SOCIAIS:

https://www.facebook.com/CineclubeJacarei/

https://www.facebook.com/CorvoDeGesso/

https://www.youtube.com/user/cineclubejacarei


-Saiba sobre o Cineclube Jacareí

cineclubejacarei@gmail.com

O projeto Cineclube Jacareí existe desde 2007. Com cinco anos de existência, tem uma missão nesta cidade. O dever de repartir com as pessoas o desejo de ver, informar-se e aprender sobre filmes e o cinema.

O inovador projeto Cineclube Jacareí atinge esse ano mais de cento e oitenta sessões do "Cinema de 5ª". Mostrando filmes independentes de cineastas locais e do Brasil. Preparou e entregou mais de cinqüenta estatuetas nas edições do anual "Prêmio Corvo de Gesso". Além de ter produzido centenas de filmes através da "Corvo Produções".

O projeto Cineclube Jacareí é pioneiro na região do Vale do Paraíba. Único grupo de trabalho que realiza a tríplice função no movimento audiovisual: produzir, exibir e premiar os filmes amadores, independentes e feitos em casa. Continuaremos a desfrutar dessa arte.



6 de set de 2008

Faroestes B

A maioria dos filmes B dos anos 1930 e de boa parte da década seguinte era composta por faroestes. A história do faroeste B se confunde com a própria história do faroeste em geral. Já em 1908 surgiu aquele que é considerado o primeiro herói dos faroestes: Broncho Billy, interpretado por G. M. Anderson em Broncho Billy and the Baby (e depois em diversos outros filmes). Seguiram-se William S. Hart, Hoot Gibson, Tom Mix, Lane Chandler, Buddy Roosevelt e muitos outros. No entanto, esses ainda eram tempos do cinema mudo e nem todos os filmes desses atores se encaixavam no que usualmente se classifica como faroeste B. A partir do cinema falado, no entanto, Bob Steele, Buck Jones, Tom Tyler, Tim McCoy, Ken Maynard e outros passaram a estrelar faroestes cujos orçamentos eram inferiores a cinqüenta mil dólares, duravam entre cinquenta e sessenta minutos, privilegiavam a ação e eram produzidos principalmente pelos estúdios do Poverty Row. Estava assim estabelecida a fórmula do faroeste B, que reinou absoluto nos anos 1930 e, com menor intensidade, também nos anos 1940. No entanto, com o aumento dos custos, o fantasma da cada vez mais onipresente televisão e a falta de visão dos estúdios (que não conseguiram descobrir caras novas e ao mesmo tempo carismáticas), ele sucumbiu juntamente com todas as outras formas de filmes B. O último faroeste B produzido foi Pistoleiro por Equívoco (Two Guns and a Badge), com Wayne Morris, em 1954. Antigos astros, como Gene Autry e Roy Rogers se refugiaram na televisão; outros amargaram o esquecimento, juntaram-se a circos itinerantes ou foram aproveitados como coadjuvantes por Hollywood.

Outros grandes nomes do faroeste B são os cowboys Johnny Mack Brown, William Boyd (Hopalong Cassidy), Tim Holt, Allan "Rocky" Lane, Charles Starrett (Durango Kid), Rex Allen, Monte Hale etc.

Vários astros do cinema iniciaram suas carreiras nesses pequenos filmes: John Wayne fez inúmeros faroestes B, inclusive com o trio Western The Three Mesquiteers, antes de estrelar No Tempo das Diligências (Stagecoach, 1939), de John Ford; Rita Hayworth, com o nome de Rita Cansino, esteve em fitas de Tom Keene (Rebelião/Rebellion, 1936 e Traição/Old Louisiana, 1937) , The Three Mesquiteers (Soberanos da Sela/Hit the Saddle, 1937) e do cowboy cantor Tex Ritter (Confusão no Texas/Trouble in Texas, 1937); Robert Mitchum iniciou a carreira fazendo papel de bandido no filme A Trilha Solitária (The Lone Star Trail, 1943) da série de Johnny Mack Brown e em sete produções da série com Hopalong Cassidy. Todavia, o contrário também ocorreu: enquanto estrelava seus modestos faroestes, Tim Holt interpretava papéis de destaque em filmes importantes como Soberba (The Magnificent Ambersons, 1942), de Orson Welles, Paixão de Fortes (My Darling Clementine, 1946), de John Ford e O Tesouro de Sierra Madre (The Treasure of the Sierra Madre, 1948), de John Huston, entre outros.